Com esse novo pacote, o objetivo é acelerar a imunização dos 303.026 profissionais de saúde do Estado – o número anterior, de 272.817, foi corrigido pelo Ministério da Saúde no último sábado (23). Desses trabalhadores, segundo o último balanço de vacinados, 98.400 já receberam a primeira dose do imunizante, o que representa 32,4% do total.

Serão atendidos os profissionais da linha de frente do Hospital Regional de Guaraqueçaba e Hospital Regional do Litoral (1ª Regional de Saúde); Hospital Waldemar Monastier, Complexo Hospitalar do Trabalhador e equipamentos de saúde de Curitiba (2ª RS); Hospital Regional Walter Alberto Pecoits, em Francisco Beltrão (8ª RS); Hospital Municipal de Foz do Iguaçu (9ª RS); Hospital Metropolitano de Sarandi e Hospital Universitário de Maringá (15ª RS); unidades da região de Apucarana (16ª RS); e Santa Casa e Hospital Evangélico de Londrina (17ª RS).

A distribuição para a 1ª RS e a 2ª RS acontecerá diretamente no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba, e as demais doses serão encaminhadas para o Interior com as aeronaves do Governo do Estado, nos mesmos moldes das últimas entregas. A distribuição atende a proporção de profissionais nesses locais e o comparativo em relação às doses já recebidas.

O imunizante é o CoronaVac, produzido pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo. As vacinas fazem parte do lote que chegou ao Estado na segunda-feira (25) e integram o pacote envasado no Brasil, que teve uso emergencial autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na última sexta-feira (22).

TOTAL  Essas doses compõem a terceira remessa de vacinas contra o coronavírus que chegou ao Paraná. No dia 18 o Estado recebeu 265.600 doses da CoronaVac. No dia 23, outras 86.500 doses, desta vez do produto desenvolvido pela Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca e a Fiocruz. Com as 39.600 do terceiro lote, o Paraná chegou a 391.700 doses.

A diferença entre a CoronaVac e a AstraZeneca é no prazo de aplicação entre uma dose e outra, pois ambas preveem duas imunizações. Enquanto a CoronaVac pede um intervalo de três semanas, a vacina de Oxford requer espaço de cerca de quatro meses.

Assim, os lotes formados pelo imunizante da Sinovac foram divididos em duas partes iguais, garantindo as duas doses para quem for receber. No caso da AstraZeneca será usada todas as vacinas para pessoas diferentes porque estão previstas a chegada de novas remessas ao Paraná neste intervalo de 120 dias. A quantia distribuída até o momento será suficiente para proteger aproximadamente 238,8 mil paranaenses.

PLANO – Segundo o Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19, que segue a mesma linha do Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde, na primeira etapa da vacinação são imunizados profissionais da saúde que atuam na linha de frente de atendimento aos doentes, os que aplicam as vacinas, pessoas com mais de 60 anos que residem em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI) e os profissionais que atuam nos locais, população indígena, pessoas com deficiência severa e trabalhadores que atuam em unidades de saúde que atendem pacientes com suspeita ou confirmação da infecção pelo novo coronavírus.

A definição de grupos prioritários seguiu critérios do Ministério da Saúde, como tempo de contato (ou exposição) com os pacientes infectados pela Covid-19 e pessoas com maior risco de complicações pela infecção causada pelo Sars-CoV-2.

Na sequência, o Estado planeja vacinar pessoas com 80 anos ou acima desta idade, pessoas entre 75 e 79 anos e assim sucessivamente, até aqueles que têm idade variando entre 60 e 64 anos. Com a quantidade de doses disponibilizadas, seguindo a ordenação por grupos prioritários, a previsão é vacinar cerca de 4 milhões de pessoas até maio de 2021. A vacinação ocorrerá de acordo com o recebimento dos imunizantes, de forma gradual e escalonada.

O Paraná tem 1.850 salas de vacinação nos 399 municípios. A quantidade de locais varia em cada cidade de acordo com o tamanho da população. Os municípios são responsáveis pela gestão dos profissionais para aplicação das doses da vacina.